“Penumbra da Mulher na contra-luz do Islão”

131_mulher-islamica       Ofuscada pela interpretação das palavras do Alcorão, a mulher islâmica está numa posição em que perde a sua individualidade e liberdade de movimentos devido aos tabus e ideias pré-concebidas que nos últimos sete séculos se enraizaram na cultura Islâmica. É uma posição de submissão que aos olhos do livro sagrado do Islão é perante D/deus, mas que me parece demasiado conveniente aos homens para ser de obra divina.

       Aos olhos ocidentais é difícil não considerar castrador, por exemplo: as vestes, os casamentos poligâmicos sem ter um papel activo na escolha dos parceiros e os códigos de conduta da mulher islâmica relativamente ao que a rodeia fora do seu ambiente caseiro. É uma longa quimera pudica com o intuito de alcançar uma castidade, mesmo que aparente, que possa manter o status quo de uma sociedade, já de si, tão plástica e pouco ligada a humanidades.

       Toda a segurança (económica, neste caso) aparente, conforto e luxo – refiro-me sobretudo ao que vejo nos Emirados Árabes Unidos – não compra a alma de uma mulher.

       As gerações mais novas já conseguem contornar alguns destes dogmas, até aqui inalterados. As novas tecnologias, juntamente com uma abertura e consequente aproximação às realidades fora do Islão têm feito com que a obrigatoriedade das cinco orações diárias não esgote o tempo útil para pensar e não asfixie todas as ideias que fazem de nós humanos e não simples ovelhas.

Excerto do Corão:

“And tell the believing women to subdue their eyes, and maintain their chastity. They shall not reveal any parts of their bodies, except that which is necessary. They shall cover their chests, and shall not relax this code in the presence of other than their husbands, their fathers, the fathers of their husbands, their sons, the sons of their husbands, their brothers, the sons of their brothers, the sons of their sisters, other women, the male servants of employees whose sexual drive has been nullified, or the children who have not reached puberty. They shall not strike their feet when they walk in order to shake and reveal certain details of their bodies. All of you shall repent to God, O you believers, that you may succeed.” (Sura al-Nur, 24:31)

Anúncios

~ por vitormartinho em Fevereiro 9, 2009.

Uma resposta to ““Penumbra da Mulher na contra-luz do Islão””

  1. O Corão tem as suas partes machistas, e não são poucas, mas foi escrito por homens, tal como a Bíblia, por exemplo, com a história do Adão e a Eva.
    O problema está, como referiste, na interpretação à letra dos ensinamentos do Corão e na manipulação dos seus ensinamentos conforme melhor lhes convém.
    O que também contribui para esta espécie de extremismo religioso, penso que será o facto de o Corão ser muito directo sobre os comportamentos e as leis que devem vigorar numa sociedade islâmica, prejudicando em particular as mulheres, e ser uma religião muito absorvente, como as 5 orações diárias de que falaste.

    “Deus ordena-vos, quando se fizer a partilha dos vossos bens pelos vossos filhos, que cada rapaz receba a parte de duas raparigas.” Sura IV, 12

    “Se as vossas mulheres cometerem a acção infame, chamai de entre vós quatro testemunhas contra elas: se os depoimentos forem realmente contra elas, fechai-as em casa até que a morte as leve ou que Deus lhes conceda algum meio de salvação” Sura IV, 19

    “Se dois dos vossos homens cometerem a acção infame, castigai-os a ambos; mas se eles se arrependerem e corrigirem, deixai-os tranquilos, porque Deus é benigno e misericordioso.” Sura IV, 20

    Sinceramente, parece-me que muitos países árabes estão como os europeus na Idade Média em relação à religião.
    Para mim, uma das maiores referências da luta pelos direitos da mulher no mundo árabe é a Rainha Rania da Jordânia:

    Essa foto é daquela mesquita linda em Abhu Dabhi que tem escadas rolantes e tudo, não é? Eu estive lá (tive de cobrir o cabelo:( ). Eu não fazia ideia que havia salas separadas para as mulheres e os homens rezarem. Houve alguém que perguntou ao guia o porquê disso e ele respondeu que se fosse a pergunta mais idiota e burra do mundo que as mulheres não se sentiam à vontade para se estarem a baixar (e empinarem o rabo, como eles fazem nas “missas” deles), tendo homens atrás delas. Foi uma coisa que nunca me tinha ocorrido…

    Beijinhos**** e bom post!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: